domingo, 2 de dezembro de 2012

Eu, ele e a outra



Paramos em frente a uma nova zona residencial.

- Agora moro aqui… - disse ele.
- Sozinho?
- Depende das noites…

Foi tudo muito rápido. Quando dei por mim, estava deitada, de pernas abertas, e ele fodia-me sem parar. O meu corpo estremecia em orgasmos sucessivos. O telemóvel dele toca e, para minha surpresa, sem parar de me penetrar, atende:
- Diz, amor…

“Amor?”, pensei eu, “que raio se passa aqui?”

- Sim, estou a fodê-la… queres juntar-te a nós?

Entre o surpresa e o excitada, decidi aumentar o volume dos meus gemidos.

- Ouves? É a puta a gemer com o meu caralho dentro dela… Anda que ainda tenho tesão para ti!

Como se aquele telefonema não tivesse existido, continuamos entregues ao prazer.

Um quinze minutos depois, a porta do quarto abre-se e entra uma mulher deslumbrante. Eu estava a ser possuída de quatro, com o vigoroso pénis do irmão da Ana todo enfiado no meu ânus. Ela, com vestido preto, bem curto. Tirou-o de uma só vez, exibindo o corpo nu, desprovido de lingerie. Sem tirar os sapatos de salto alto juntou-se a nós na cama. Senti que beijava o rapaz que, não saindo de dentro de mim, abrandou o ritmo da penetração. De seguida, dirigiu-se a mim e beijou-me. E que beijo! Nunca, ninguém, me tinha beijado daquela forma. O meu desejo aumentou, queria sentir aquela boca na minha coninha, mas foi o inverso que aconteceu. Deitou-se em frente a mim, oferecendo-me a sua vagina, que devorei com dedicação. Depilada, vermelha, quente e húmida, pude sentir na minha foca os seus fluídos, até ao orgasmo, que libertou ainda mais o seu mel íntimo.

- Quero provar-me… - disse num sussurro e beijou-me de novo.
Nesse momento, as estocadas dele no meu cu aumentaram de velocidade e força e pude sentir o seu sémen invadir-me as entranhas. Estava a proporcionar-lhes prazer, mas também eu queria desfrutar de um orgasmo.
Adivinhando os meus pensamentos, a rapariga falou:

- Descansa, querido… que agora é a minha vez de dar a esta cabra o que ela merece.

A voz dela era quente e sensual e excitava-me ainda mais.

Deitou-me de costas e abriu-me as pernas. Colocou-se entre elas, penetrando-me com os dedos. Beijou-me na boca e foi descendo. Ao passar pelos seios, deteve-se mais um pouco, beijando, chupando e mordiscando, sem parar de me foder com os dedos, ora dentro de mim, ora brincando por fora. O meu corpo ondulava e retorcia-se anunciando o orgasmo para breve. Numa cadeira que havia ali ao pé, ele fumava um cigarro e apreciava a cena masturbando-se levemente, contudo, aquele pau voltava a ganhar forma.

Senti os lábios dela nos meus lábios íntimos e a sua língua a penetrar-me. Então não aguentei mais e explodi. Deixei o meu tesão escorrer naquela boca deliciosa. Ao lado, ele vinha-se também, espalhando o esperma no seu peito nu. Com um sorriso cúmplice, ela disse:

- Vem…

E ajoelhamo-nos ambas em frente a ele, sorvendo as gotas brancas que pintalgavam o seu peito moreno e depilado. Pelo meio, íamos partilhando as duas o líquido que recolhíamos com as nossas bocas. Até que, segurando firmemente o pénis quase “morto” com uma mão, ela disse:

- Não querido… não te vou deixar “morrer”…

E meteu-o de imediato na boca…

(continua...)

12 comentários:

  1. ainda bem que regressaste...o melhor foi o assumires que gostaste se ser insultada pela outra mulher...em relaçao ao resto fico a espera da continuaçao pra ver se realemnte estas inspirada..parebns pelo regresso

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Vampiro!
    Como disse antes, parte das minhas histórias é verídica... esta mulher existe mesmo... e é qualquer coisa de extraordinário...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico feliz k as historias que aqui contas sejam verdadeiras e sobre a tua pessoa...se assim é,es de facto extraordinaria...parabens....

      Eliminar
    2. e dá cá uma vontade de te "conhecer", marta... ;)

      homo erectus

      Eliminar
  3. saudades... espero que este regresso seja para ficares...

    ResponderEliminar
  4. Olá Filipe!

    Também eu espero. Os últimos meses têm sido complicados, mas conto ainda esta semana continuar esta história!

    ResponderEliminar
  5. Antes de mais saúdo o teu regresso que muita falta fazes

    Espero que este regresso ao passado envolva um reencontro com o pai da Ana. Devo admitir que as histórias com ele são as minhas favoritas

    ResponderEliminar
  6. Obrigada pela sugestão, Fernando Pessoa.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Muito bom...

    Tens foca em vez de boca... "Depilada, vermelha, quente e húmida, pude sentir na minha foca os seus fluídos, até ao orgasmo, que libertou ainda mais o seu mel íntimo."

    Os teus textos excitam mesmo.

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. adoro os teus contos.Faz um com homens negros pensa nisso.

    ResponderEliminar
  9. Olá Marta, cheguei aqui através de um amigo em comum, o Fernando Pessoa, e devo confessar que adorei as suas histórias. Eu também dou uns toques e devo confessar que é uma lufada de ar fresco ver as coisas contadas de uma perspectiva feminina. Espero que continue a publicar, com muito ou pouco tempo de intervalo, as suas histórias são sempre fantásticas

    ResponderEliminar
  10. http://simplessensation.blogspot.pt/

    VISITEM

    ResponderEliminar